AJUDE O BLOG - COMPRE LIVROS NO LINK

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Nancy Huston - A Espécie Fabuladora: Um Breve Estudo Sobre a Humanidade


A L&PM publicou A Espécie Fabuladora: Um Breve Estudo Sobre a Humanidade de Nancy Huston que tem a seguinte sinopse:

"Para que inventar histórias quando a realidade já é tão extraordinária?"

Feita por uma detenta de um presídio feminino, tal pergunta - provocadora e incômoda - é o ponto de partida de A Espécie Fabuladora, ensaio tão impressionante quanto sui generis.

Por que, afinal, essa necessidade incontrolável, comum a todas as culturas, de tecer fábulas, de criar ficções?

Guiando-se por seu arcabouço de leituras, por sua experiência como ficcionista e pensadora, e sobretudo por uma sensibilidade incomum que enxerga relações onde elas parecem invisíveis, Nancy Huston, uma das mais renomadas romancistas e intelectuais da atualidade, conduz o leitor por uma investigação sobre a genealogia da espécie humana, sobre como nos tornamos os fabuladores que somos.

Partindo da constatação de que o ser humano é o único animal que sabe que nasceu e que vai morrer, aliado ao uso da linguagem verbal pela nossa espécie, a autora estabelece a importância, para nós, do Sentido (da vida, de Deus...). O Sentido, diz ela, "é a nossa droga pesada". Por isso, o indivíduo não se forma sem ficções e narrativas (sobre a família, sobre o seu povo, sobre o seu nascimento etc.). Mais tarde na vida, algumas pessoas fazem sua própria releitura de ficções (ou modelos) recebidas e recriam a sua própria história. Outras não conseguem romper com padrões de ficções primitivas e ficam à mercê de serem manipulados por "ficções nocivas", que "engendram o ódio, a guerra, os massacres".

Entre tantas fábulas a que somos expostos e que engendramos ao longo da nossa existência, o romance - quintessência da nossa tendência ficcionalizadora - tem um caráter civilizatório. O valor supremo do romance é o poder de nos colocar no lugar do outro, de relativizar convicções, de criar compaixão e entendimento, de propiciar a identificação com outras realidades, com outros personagens.

Ecoando os Fragmentos de um Discurso Amoroso, de Roland Barthes, A Espécie Fabuladora é um ensaio múltiplo e único. Múltiplo por navegar com segurança em domínios da teoria da literatura sem jamais perder a conexão com outros campos do conhecimento, como a história e a psicanálise; único por aliar reflexões num delicioso e intenso raciocínio, que nos explica e ilumina.

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...